Relação dos artigos escritos por Frantz Fanon no El Moudjahid

Até agora poucos pesquisadores se deteram nos artigos de Frantz Fanon publicados no jornal El Moudjahid, que ele produziu dentro de uma concepção de autoria coletiva, portanto não os assinou. Depois de anos buscando os três tomos do El Moudjahid, impressos na Iugoslávia, consegui comprá-los na internet, o que possibilitou acesso direto. Uma das publicações mais importantes, que surgiu em 2015 e só foi analisada por mim em 2016, foi a obra Écrits sur l’aliénation et la liberté que traz textos ainda não publicados de Fanon, sobre teatro, sobre a questão da psiquiatria, artigos que Fanon publicou no El Moudjahid e que não estavam na compilação do Pela Revolução Africana, além de uma lista com os livros que Fanon possuia em sua biblioteca, inclusive com algumas anotações do próprio Fanon.

ESTA TABELA FOI ORGANIZADA POR WALTER GÜNTHER RODRIGUES  LIPPOLD (2016) E FAZ PARTE DE SUA TESE DE DOUTORADO (EM DESENVOLVIMENTO DESDE 2014) INTITULADA: “FRANTZ FANON E A CENA INTELECTUAL ARGELINA: circulação de ideias revolucionárias e sujeito coletivo no jornal El Moudjahid (19541962)”

Na tabela abaixo organizamos os 41 artigos escritos por Frantz Fanon no jornal El Moudjahid, sendo que 20 deles não foram traduzidos para o português:

Nome do artigo

Número

Data

Obra em que foi publicado

Obs.

La Légion étrangère démoralisée

n.8

5/12/1957

Écrits sur l’aliénation et la liberté

L’Independance de L’Algerie – realite de tous les jours

n.8

5/12/1957

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Déceptions et illusions du colonialisme (Decepções e ilusões do colonialismo francês)

n.10

09/1957

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo de capa com foto (ausente na publicação iugoslava)

Sem dia, só mês e ano.

L’indépendance nationale, seule issue possible

n.10

09/1957

Écrits sur l’aliénation et la liberté

L’Algerie Face aux Tortionnaires Français ( A Argélia perante os torcionários franceses)

n.10

09/1957

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

L’Algérie et la crise française

n. 11

1/11/1957

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Le conflit algérien et l’anticolonialisme africain

n.11

1/11/1957

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Une révolution démocratique

n.12

15/11/1957

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Artigo de capa. Editorial.

Encore une fois – pourquoi le prealable

n.12

15/11/1957

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Artigo de capa com foto.

A propos d’un plaidoyer ( A propósito de uma defesa)

n.12

15/11/1957

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo com foto descrita mas ausente.

Les intellectuels et les democrates français devant la Revolution Algerienne (Os intelectuais e os democratas franceses perante a Revolução Argelina).

n.13

1/12/1957

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Parte 1/3. Artigo em três partes, de suma importância pois enfureceu a esquerda francesa e foi publicado sem autoria em França. Artigo com foto ausente, descrição da foto em rodapé.

La conscience révolutionnaire algérinne

n.14

15/12/1957

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Artigo de capa.

Les intellectuels et les democrates français devant la Revolution Algerienne (Os intelectuais e os democratas franceses perante a Revolução Argelina).

n.14

15/12/1957

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Parte 2/3. Artigo com foto ausente, descrição da foto em rodapé.

Les intellectuels et les democrates français devant la Revolution Algerienne (Os intelectuais e os democratas franceses perante a Revolução Argelina).

n.15

1/01/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Parte 3/3. Artigo com foto ausente, descrição da foto em rodapé.

Aux Antilles, naissance d’une nation? (Nas antilhas, nascimento de uma nação?)

n.16

15/01/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé.

Le sang maghrebin ne coulera pas en vain (O sangue do Maghreb não correrá em vão)

n.18

15/02/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo de capa, com foto.

Strategie d’une armee aux abois

n.19

28/02/1958

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Les rescapés du no man’s land

n.20

15/03/1958

Écrits sur l’aliénation et la liberté

La farce qui change de camp (A farsa que muda de campo)

n. 21

1/04/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Le testament d’un “Homme de gauche”

n.21

1/04/1958

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Decolonisation et Independance (Descolonização e Indepêndencia)

n.22

16/04/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé.

Une crise continuee

n.23

5/05/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé.

Logique de L’ultra-colonialisme

n.24

29/05/1958

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé.

Lettre a la jeunesse africaine (Carta à juventude africana)

n.24

29/05/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé.

Le monde occidental et l’expérience fascite en France

n.25

13/06/1958

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé

Verites premieres a propos du probleme colonial (Verdades primeiras a propósito do problema colonial)

n.27

22/07/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé

Les Illusions gaullistes

n.28

22/08/1958

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé

La Leçon de Cotonou

n.28

22/08/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé

Appel aux africains (Apelo aos africanos)

n.29

17/09/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé

Les Lendemains d’un pebiscite (Consequências de um plebiscito em África)

n.30

10/10/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Le calvaire d’un peuple

n.31

1/11/1958

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé

La Guerre D’Algerie et las liberation des hommes

n.31

1/11/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé

L’essor du mouvement anti-impérialiste et les attardés de la pacification

n.34

24/12/1958

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé

L’Algerie a Accra ( A Argélia em Accra)

n.34

24/12/1958

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Accra: L’Afrique affirme son unite et definit sa strategie

n.34

24/12/1958

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé

Le combat solidaire des pays africains

n.34

24/12/1958

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Artigo extraido da intervenção de Fanon na Conférence pour la paix et la sécurite en Afrique, está assinado como Dr. Fanon.

Les tentatives desesperees de M. Debre ( As tentativas desesperadas de Debré)

n.37

25/02/1959

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Artigo com foto ausente, descrita em nota de rodapé

Fureur raciste en France

n.42

25/05/1959

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Écoute homme blanc !, de Richard Wright

n.47

03/10/1959

Écrits sur l’aliénation et la liberté

O sangue corre nas Antilhas sob dominação francesa

n.58

05/01/1960

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

Unidade e solidariedade efectiva são as condições da libertação africana

n.58

05/01/1960

Em Defesa da Revolução Africana (traduzido)

À Conackry, il déclare: “La paix mondiale passe par l’indépendance nationale”

n.63

25/04/1960

Écrits sur l’aliénation et la liberté

L’Afrique accuse L’Occident

n.78

23/02/1961

Écrits sur l’aliénation et la liberté

Publicado em Uncategorized | Comentários desativados em Relação dos artigos escritos por Frantz Fanon no El Moudjahid

Cultura, luta anticolonial e descolonização da tecnologia

Compartilho com muita alegria, minha última publicação, onde abordo questões analisadas por Frantz Fanon sobre cultura e luta anticolonial: a questão do uso do véu islâmico, a descolonização da tecnologia, medicina e colonialismo, são alguns dos temas desenvolvidos. Hospedei o arquivo na Biblioteca Livre Frantz Fanon, criada pelo Coletivo Fanon em um servidor livre proporcionado pelo Hacker Club Cascavel.

BAIXE O TEXTO

http://hackerclubcascavel.org/nuvem/index.php/s/aGpLWZ5fSVrGZu5

Publicado em Uncategorized | Deixar um comentário

O que é necropolítica? Resumo do meu último artigo.

NECROPOLÍTICA E VIOLÊNCIA COLONIAL: DIÁLOGOS DE ACHILLE MBEMBE COM FRANTZ FANON

Walter Lippold1

RESUMO

Neste artigo eu argumento sobre a decisiva influência do pensamento fanoniano na noção de necropolítica de Mbembe, que parte desta base para traduzir as lógicas da violência nas sociedades pós-coloniais africanas. Busco analisar as relações entre a noção de necropolítica e suas origens na violência colonial, aprofundadas por Frantz Fanon. Neste sentido definirei o conceito de necropolítica, suas origens históricas e teóricas, seus desdobramentos teóricos. Na produção de conceitos que visam traduzir o fenômeno da violência na África do Século XX e XXI, Achille Mbembe e Frantz Fanon possuem uma contribuição fundamental. O diálogo de Mbembe com Fanon enriquece a compreensão dos condicionantes que o potentado colonial produziu e que foram rearticulados na pós-colônia. Produto deste diálogo, o conceito de necropolítica emerge como subversão da noção de biopolítica foucaultiana, perpassada pelas análises sobre violência de Fanon, entre outras contribuições teóricas. A necropolítica se manifesta como submissão da vida ao poder da morte, onde máquinas de guerra dominam populações em espaços de extração de riquezas como minerais e petróleo. A influência do conceito cunhado por Mbembe é reforçada pelos desdobramentos teóricos efetivados por Banerjee e Sayak Valencia, com seus conceitos de necrocapitalismo e capitalismo gore. A guerra no século XXI muda radicalmente de caráter devido à revolução militar e tecnológica que convive com mundos de penúria em um cenário low life high-tech: guerras nômades que necessitam de análises contemporâneas para sua efetiva compreensão. As origens da necropolítica nos espaços da plantation escravista e na colônia são demonstrações de que a raça é um dos elementos fundamentais que perpassa a modernidade desde o seu início. A violência colonial para Frantz Fanon era a realização de um sufocamento total da sociedade colonizada, econômico, político e cultural. Todos os poros da sociedade exalavam as relações violentas e os elos da violência do colonizador e a contraviolência do colonizado são pólos antitéticos que se excluem reciprocamente, sem a criação de uma unidade superior, uma síntese.

Palavras-chave: necropolítica; violência; Frantz Fanon; Achille Mbembe; África

1Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGHist-UFRGS), orientado pelo Prof. Dr. José Rivair Macedo. Artigo entregue como requisito de avaliação para a disciplina de Seminário de Cultura e Representações Estudo Monográfico 1: O pensamento Social Africano no século XX. Questões, debates e tendências de abordagem, ministrada em 2016/2.

Publicado em Uncategorized | Comentários desativados em O que é necropolítica? Resumo do meu último artigo.

Redes Sociais Alternativas

Nos últimos anos tenho tentando me livrar, dentro de um processo de “redução de danos”, do uso de softwares e redes proprietárias. Não uso mais facebook e nem twitter. Por mais que eu colocava conteúdos contra-hegemônicos nestas redes, eu sentia que algo dava errado: os conteúdos críticos eram absorvidos automaticamente na forma reacionária do facebook. Forma e conteúdo, “o meio é a mensagem” disse MCLuhan. Assim não importa se você poste conteúdos revolucionários ou reacionários no facebook, pois o meio, a forma como funciona esta rede proprietária irá torná-los “papinha” através de seus algoritmos e sua gana de capturar big data , acessar seu inconsciente digital (eles sabem mais de você que você mesmo) fazendo engenharia social com as pessoas. “No que você está pensando?” Antigamente torturadores injetavam pentothal, soro da verdade para liberar seus pensamentos, seu anseios e desejos, agora nós fazemos isto de forma voluntária, vivemos em uma Real Distopia com pitadas de Bradbury, Orwell e Huxley.

Neste sentido tenho testado várias redes sociais descentralizadas, abertas, alternativas ao facebook e twitter. Vou deixar uma lista das redes que uso, podem me adicionar lá meu nome nas redes é sempre @lippold . Experimentem e tirem suas conclusões:

https://gnusocial.no

https://mastodon.social/about

https://joindiaspora.com

 

 

Publicado em Uncategorized | Comentários desativados em Redes Sociais Alternativas

Subúrbio Digital: pensamento periférico e tecnologia popular

Este é o nosso novo espaço virtual ciberneticamente conectado com nossa carne, nossas ações em prol da circulação de ideias, da descolonização do pensamento e da tecnologia, de novas formas de resistência que superem os limites das velhas, que apesar de propagar conteúdos revolucionários, são rapidamente enquadrados na forma reacionária do copyright, dos softwares e redes sociais proprietárias. Descolonizar a tecnologia é uma necessidade, combatendo todos os dias  pela ciência livre, experimentando alternativas livres em termos de softwares e hardware,este é o caminho do Subúrbio Digital,

Publicado em Uncategorized | 1 comentário